Secretariado no SEBRAE exige nível médio (???)


Bom dia!

 

Como todo início de semana sempre busco as melhores vagas para postar aqui no blog.

E hoje vi no Correio Braziliense um processo seletivo para vários cargos com salários bem interessantes.

E procurei no cargo de ANALISTA TÉCNICO a função de Secretária…e o que acontece…vejam

SEBRAE

2

Quando é que as empresas terão consciência que Secretariado Executivo é uma profissão e que é preciso ter cursos técnicos e/ou superior para atuar na área? Que várias empresas hoje exigem o SRTE (registro na Delegacia do Trabalho), que é preciso estudar línguas, administração, arquivologia, psicologia, etiqueta empresarial entre outras tantas matérias que temos ao longo de 4 anos?

Pois bem, hoje me deparo com a divulgação de um processo seletivo do SEBRAE/Nacional onde há vários cargos de analista técnico I e II (salários entre 5.000 e 10.000) para diversas formações e para a função de Secretária há o cargo de Assistente (olhem só a experiência exigida, conhecimentos técnicos e atribuições!!), onde só exige nível médio completo e com salário de 2.900,00??

Essa vaga me fez lembrar de quando passei e fui chamada em um processo seletivo no SEBRAE/DF. Todas as vagas eram para analista administrativo. No dia da apresentação estavámos todos os 10 que passaram em uma reunião com os gerentes. Todos os 9 foram designados para áreas diversase já estavam recebendo vários projetos que seriam responsáveis. Eu, formada em Secretariado Executivo, fui designada para atendimento ao cliente no balcão. Fiquei indignada e obviamente desisti da vaga.

Vamos mobilizar os sindicatos e federações da classe para esclarecermos aos diversos órgãos que o cargo de Secretária exige a devida formação.

Compartilhem!

http://www.tangram.net.br/Egaion/CliDocs/egaion/01%20Processo%20Seletivo%20SEBRAE%20NA_01-2015%20final.pdf

Ser poliglota por Karla Karina


 O convite veio inesperado, mas como eu sempre quis ser Jornalista e essa coisa de dar entrevista é algo que eu amo de paixão, aceitei na hora.

E digo que não aceitei falar sobre a minha pessoa para aparecer, esnobar ou por me achar melhor que as outras pessoas.

Muito pelo contrário. Sinto que estou neste mundo para ajudar e nem sempre a ajuda vem em forma de dinheiro, ela pode vir de várias maneiras.

E eu tenho sim uma história de vida maravilhosa. Não uma vida glamourosa porque morei fora por longos 8 anos.

E foi exatamente o oposto: nascida em uma família de classe média baixa, meus pais nunca deixaram nos faltar nada, mas sempre foram rígidos e sinceros com a apresentação do mundo para nós. E eu sendo a caçula, bem caçula não mudou em nada, muito pelo contrário também, pois eles me criaram tal qual como criaram seus outros 4 filhos.

Mas eu sempre fui muito para frente e essa pessoa que eu sou hoje é fruto dessa educação não liberal, mas de poder de decisão própria. Me mostraram o mundo como ele é, e ainda que aos trancos e barrancos, as vezes sim com muitas discussões, meus pais me deixaram livre para trilhar meu caminho.

E eu venho trilhando. São 30 anos, 10 deles dedicados a me tornar a profissional que sou e que ainda poderei ser.

Noites em claro para dar conta do recado, muito estudo, leitura e atenção aos detalhes.

E sim, tudo o que sou hoje, vem dos meus 4 anos em Moscou e isso de fato é o que mais me faz ser grata por tudo que tenho, sou e ainda serei.

Obrigada pelo carinho de quem ler o texto.

Beijos

Karla Karina

Entrevista publicada na intranet da ANTAQ:

 

La vida es bella. Life is beautiful. Жизнь прекрасна. La vie est belle. A frase “A vida é bela”, escrita respectivamente em espanhol, inglês, russo e francês, demonstra o domínio que a Secretária da Assessoria Internacional da Agência, Karla Karina de Souza Lopes, possui quando o assunto é idioma.

Seu aprendizado aconteceu por causa dos compromissos profissionais de seu pai. “Ainda na infância, precisei mudar do Brasil para a Argentina, onde fui alfabetizada. Apesar de minha família ser toda brasileira, aprendi primeiro o espanhol”, conta Karla, que, após a temporada em Buenos Aires, voltou com sua família ao Brasil.

No entanto, depois de apenas quatro anos, a secretária teve de deixar o país devido ao trabalho do seu pai, novamente. Mas aí a viagem foi um pouco mais longa e para um país muito diferente do Brasil. Para buscar estabilidade financeira, a família de Karla se aventurou em 1995 na gelada Rússia. A secretária tinha somente 11 anos. “Meu pai precisava economizar dinheiro. Não tinha férias para voltar ao Brasil. Além disso, viver na Rússia foi um choque. Não sabia inglês, muito menos russo”, lembra.

O aprendizado e a adaptação ao idioma russo não foram fáceis. Sem a ajuda de um professor, Karla precisou aprender sozinha. Seu companheiro de todas as horas era um dicionário, que sempre levava debaixo do braço. “Meu pai disse que não poderia pagar um tradutor. Até tive uma professora cubana que tentou me ensinar russo, mas a didática era ruim. Por sorte, estudei em uma escola que dava aulas de espanhol, então convivi ao mesmo tempo com os três idiomas: espanhol, inglês e russo. Mas aprendi na marra tanto o inglês quanto o russo”, diz.

Mesmo com as dificuldades e o choque de cultura, morar na Rússia trouxe grandes benefícios a Karla. Além do aprendizado da língua, ela confirma que a rigidez russa a tornou uma profissional capacitada e respeitada atualmente. “Senti a importância da Rússia na minha vida assim que entrei no mercado de trabalho aqui no Brasil, principalmente em relação à pontualidade e à dedicação. Sempre colocarei meu trabalho em primeiro lugar”, garante.

A experiência com o francês foi mais tardia. Por querer passar pelos processos seletivos para ser diplomata, Karla começou um curso que, atualmente, está para concluir.

Ao perceber a facilidade de Karla em aprender idiomas, o professor Adelson Marques, que ministra as aulas de francês na Cooplem Idiomas, fez um convite para a secretária. “Fui chamada para fazer teatro em francês pelo Adelson. Ele montou um grupo para fazer apresentações na Cooplem. Por esse motivo, continuo estudando francês. Já vamos para a segunda peça em maio deste ano”, diz.

Mesmo com a capacidade de falar cinco idiomas, Karla pretende aprender mais um: o latim. “Acho um idioma lindo”, opina a secretária.

 

Livre-se do estresse


25 coisas estressantes que você tolera mais do que devia (e você pode ter culpa nisso)

Passar a vida tolerando coisas que não gostaríamos de tolerar descarrega nossas energias e torna impossível uma vida equilibrada.

Abaixo estão listadas algumas coisas que a maioria das pessoas tolera mais do que deveria:

  1. Manter uma atitude negativa – Escolha ser infeliz e você encontrará um milhão de motivos para reclamar e fazer cara feia. Escolha ser feliz e encontrará um milhão de razões para sorrir.
  2. Fazer parte de círculos de drama – Tente se manter afastado (a) de grupos que priorizam o julgamento e as fofocas. A vida é muito curta para ser gasta falando mal de pessoas e se metendo em problemas sem relevância.
  3. Achar constantemente que você poderia ter sido mais gentil – O menor ato de bondade vale mais do que uma intenção grandiosa. Portanto, trate as pessoas direito. A bondade é um presente que qualquer um pode se dar ao luxo de praticar. Seja a doçura na vida amargurada de alguém, seja sempre gentil com as pessoas e com o que você sente e não precisará sentir culpa por não ter feito “o suficiente”

4 Cultivar pensamentos autodepreciativos – Se você sente que os outros não estão te tratando com amor e respeito, verifique o seu valor. Talvez você inconscientemente transmita uma mensagem de que “Não é bom o suficiente”. Saiba que é você mesmo (a) quem diz aos outros sobre o seu próprio valor. Mostre-lhes que você está disposto (a) a aceitar o seu tempo e atenção. Se você não valorizar e respeitar a si mesmo (a), de todo o coração, ninguém mais o fará.

  1. Viver o presente preocupado (a) com um passado doloroso – O primeiro passo para viver a vida que você quer é deixar para trás a vida que você não quer. Deixar de lado o passado é o primeiro passo para a felicidade. Pare de ser um prisioneiro de seu passado e torne-se o arquiteto do seu presente. Aprenda com seus erros, mas não passe a vida se martirizando por eles. Viva além de suas cicatrizes e concentre-se nas imensas possibilidades que aguardam a sua atenção imediata.
  2. Estar sempre tão ocupado (a) e disperso (a) a ponto de não apreciar a doçura da vida – algumas vezes, lembrar-se da doçura da vida pode ser mais difícil que esquecer a dor. Há beleza em tudo; às vezes você apenas tem que olhar um pouco mais para vê-la.
  3. Basear-se em expectativas de perfeição – A vida nunca será perfeita, não importa o quanto você tente. Sempre existirão momentos de incerteza e dias em que nada dá certo.
  4. Não responsabilizar-se pelos próprios atos- Responsabilidade significa reconhecer que, independentemente do que aconteceu até este ponto em sua vida, você é capaz de fazer escolhas para mudar sua situação, ou para mudar a maneira de pensar sobre isso.
  5. Ser obcecado (a) pelo controle– Lembre-se de que as únicas coisas que você pode verdadeiramente controlar são as escolhas que você tem frente a tudo o que acontecer ao seu redor.

O estresse prospera quando a sua lista de preocupações é maior do que a sua lista de gratidão. A felicidade prospera quando a sua lista de gratidão é maior do que a sua lista de preocupações. Então, encontre algo para ser grato.

10- Sentir-se culpado (a) por não ser capaz de fazer tudo – Sim, é saudável trabalhar diligentemente para atingir metas significativas, entretanto não é saudável repreender-se por não fazer mais do que você é capaz. Encontre o seu equilíbrio entre atividade e recuperação. Aprenda a relaxar quando você precisar de uma pausa.

11- Manter a ideia de que a felicidade só pode ser encontrada no futuro – Se você está sorrindo agora, você está fazendo certo. O futuro está nascendo a cada segundo em seus pensamentos e ações. Pare de esperar e comece a viver.

  1. Não apreciar o que você tem quando “você tem”– Às vezes a gente acaba traindo aos outros e a nós mesmos simplesmente porque nós prestamos mais atenção no que está faltando do que no que temos. Quando você começa algo pequeno, você quer mais. Quando você tem mais, você deseja ainda mais. Mas quando você perde tudo, você percebe que as pequenas coisas eram realmente as coisas mais importantes. Portanto, não vá à procura de algo melhor a cada segundo. Em vez de pensar sobre o que está perdendo o tempo todo, lembre-se mais vezes do que você tem.
  2. Manter uma lista de preocupações muito maior do que uma lista de gratidão – O estresse prospera quando a sua lista de preocupações é maior do que a sua lista de gratidão. A felicidade prospera quando a sua lista de gratidão é maior do que a sua lista de preocupações. Então, encontre algo para ser grato.
  3.  Manter-se resistente ás mudanças– Experimente um milagre simplesmente mudando sua perspectiva.
  4. Deixar que as situações que não deram certo definam quem você é– Às vezes as transições da vida são a oportunidade perfeita para deixar para trás uma situação desagradável e abraçar algo melhor que está vindo em sua direção. Por favor, não deixe que circunstâncias incontroláveis ​​definam quem você é ou lhe forneçam uma desculpa para ser desagradável.
  5. Deixar-se levar pelo condicionamento social – Saber quem você é, é uma coisa, mas realmente acreditar e viver como você acredita é outra. Com todo o condicionamento social em nossa sociedade às vezes nos esquecemos de permanecer fiéis a nós mesmos. Não se perca por aí. Você não pode atrair as pessoas certas em sua vida quando você está fingindo ser outra pessoa. Então, seja você mesmo, e se você não pode encontrar um grupo cujos valores e consciência corresponde ao seu próprio, seja você a fonte inspiradora para os outros.

Perdoe aos outros, não porque eles merecem perdão, mas porque você merece paz. Liberte-se do fardo de ser uma eterna vítima, e siga em frente com ou sem eles.

  1. Concentrar-se em pessoas erradas – coisas erradas acontecem quando você confia e se preocupa com as pessoas erradas. Não deixe que pessoas que fazem tão pouco por você controlem seus sentimentos e emoções. Não dedique muito tempo para as pessoas que raramente fazem o mesmo por você. Conheça o seu valor. Saiba a diferença entre o que você está recebendo a partir das pessoas e o que você merece.  Algumas vezes é melhor deixar que algumas pessoas se afastem, ao invés de permaneceram junto de você.
  2. Ter comportamentos desonestos- Na vida e nos negócios a nossa reputação é sempre mais importante do que o nosso próximo salário e nossa integridade vale mais do que a nossa próxima emoção. Quem age de maneira desonesta vive uma vida de desconfiança e incerteza. Eles vivem em constante medo de que as pessoas que eles traíram também os enganem.
  3. Cultivar raiva excessiva – O que o irrita, controla você. Lembre-se disso. Às vezes pensamos que o ódio é uma arma que ataca as pessoas que não gostamos, mas o ódio é uma lâmina curvada, e os danos que fazemos, fazemos a nós mesmos.
  4. Gastar argumentos com pessoas antagônicas – Não desperdice palavras com pessoas que merecem o seu silêncio. Às vezes, a coisa mais poderosa que você pode dizer é nada.

21- Guardar rancores e ressentimentos – Perdoe aos outros, não porque eles merecem perdão, mas porque você merece paz. Liberte-se do fardo de ser uma eterna vítima, e siga em frente com ou sem eles.

  1. Conservar velhos hábitos que já se mostraram ineficientes – Só porque você sempre fez algo de uma mesma maneira, não significa que você tem que continuar a agir da mesma forma. Só porque você nunca fez algo, não significa que você não possa começar agora.

Só porque você sempre fez algo de uma mesma maneira, não significa que você tem que continuar a agir da mesma forma. Só porque você nunca fez algo, não significa que você não possa começar agora.

  1. Persistir em uma realidade de desculpas – É melhor parar de inventar desculpas (para si e para os outros)  se você realmente não tem a intenção de fazer algo. Concentre-se no que você realmente fará.
  2. Manter uma rotina estagnada – Lembre-se, a moeda mais importante na vida é a experiência. O dinheiro vem e vai, mas suas experiências ficam com você até o seu último suspiro. Portanto, não tenha medo de misturar as coisas e desafiar-se com novas experiências de vida. Às vezes, uma pausa de sua rotina é a coisa que você mais precisa.
  3. Aprenda a somar, mas também a subtrair– Quando as coisas não estão somando em sua vida, comece a subtração. A vida fica mais fácil quando você aprende a excluir as coisas e as pessoas que a tornam difícil. Livrar-se de complexidades desnecessárias em sua vida para que você possa passar mais tempo com as pessoas que você ama e fazer mais das coisas que você realmente quer.

E lembre-se, a vida é um processo de constantes mudanças, mas o crescimento é opcional. Então, escolha sabiamente. Pare de tolerar o que não deve ser tolerado.

Via Marc and Angel Hack Life

Traduzido e adaptado por Josie Conti

Revisão: Má Âmbar

Do original: 27 Stressful Things You Tolerate Too Often

Fonte: http://www.contioutra.com/25-coisas-estressantes-que-voce-tolera-mais-que-devia-e-voce-pode-ter-culpa-nisso/

2015 de cara nova!!!


E pra começar tudinho de novo, nada melhor que o site de cara nova!

Foram feitas alterações no layout, e no menu direito foram incluídos mais alguns itens como Curtir no Facebook, Seguir no Twitter, ver os comments, e claro, foi inserido o link para os textos de nossa nova colaboradora Karla Karina (Coluna da Karla Karina)

E para não haver confusão, como somos quase homônimas (Karla Kariny – eu, Karla Karina – ela) vou sempre assinar como Karla Mustafa e ela como Karla Karina.

Pretendemos enriquecer mais esse espaço com novidades sobre nossa área profissional…aguardem!

Sim, as vagas estão fraquinhas, mas fim/início de ano é sempre assim…

Mas não desanimem! Leio a seção de trabalho todos os domingos e sempre estou pesquisando em sites vagas interessantes para os/as colegas profissionais.

Espero que continuem nos acompanhando, curtam, sigam, divulguem e compartilhem.

E um 2015 cheinho de boas coisas para todos nós!

Beijoc@s da Karla Mustafa

O tempo é o teu capital por Karla Karina


O tempo é teu capital; tens de o saber utilizar. Perder tempo é estragar a vida. Franz Kafka

E com esta frase inicio meu primeiro texto de 2015. E como o blog é muito mais para discutir o lado profissional por um ponto de vista mais humano, então vamos colocá-la em prática neste novo ano que começa?

E quando tocamos nesse assunto as pessoas se assustam.

Porque está na moda ou perder muito tempo ou perder tempo com coisas que não interessam.

Porque tudo é preciso: você precisa falar muitos idiomas, entender tudo de computador, matemática financeira, legislação, ética, moda, e por aí vai.

E eu concordo.

Mas e se você por acaso trabalha como Contador e na verdade sempre quis ser Ator? Já parou para pensar no tempo perdido e dedicado a algo que não oe satisfaz? E se você perceber isso já com uma idade que acredita que não seja possível realizar sonhos? Porque isso pode acontecer e quando chegamos neste ponto, aí é que a coisa fica feia.

Aos jovens que leem o blog eu tenho um conselho básico: invista tempo e dinheiro naquilo que você acredita que valha a pena. Passada a realização dos projetos dos pais: aula de inglês, natação, canto e etc., projete o que você quer para si: quero ser dentista, é um sonho… Então vá lá e corra atrás. Estude, se dedique se empenhe e pegue o diploma e continue melhorando.

Não perca tempo com o que lhe desvia do caminho da realização.

Aos com idade mais avançada: dinheiro não é tudo e esse clichê tem se mostrado muito real. Não é ser rico que vale não, porque até o Eike Batista está meio capenga aí, perdendo bilhões. O que vale é ser o que se quer ser e dentro deste ser o que se quer melhorar a cada dia, ser o melhor a cada dia. Dinheiro traz felicidade sim, mas não é a felicidade completa.

Me dói ver profissionais, por exemplo, estudando muito para ser concursado público, se matam o dia inteiro e passam. Mas ao longo da vida se deparam com uma tristeza infinita, porque não conseguem ser o que queriam, só trabalham pelo dinheiro. E o tempo voa, se aposentam e não fizeram absolutamente nada do que realmente haviam nascido para fazer.

Não vejo vergonha em a pessoa sonhar em ser qualquer coisa. Eu costumo dizer: Imagine se todos fossem servidores públicos, como ficariam as outras atividades, sejam elas intelectuais ou braçais?

Sou contra o ócio gratuito. Uma vez ou outra ficar de bobeira no sofá da sala comendo Cheetos, tudo bem. Mas fazer disso uma atividade diária me incomoda.

Então, evite ver programas que não lhe agradam, só porque está na moda. Evite baladas, só porque as pessoas dizem que lá é legal. Daí você bebe horrores, perde dinheiro e volta sozinho.

Vai viajar? Viaje para um lugar que você realmente queira, curta e se divirta e tire daquela experiência o melhor.

Vai estudar? Programe-se, foque, elabore um plano de estudo. E por aí vai. Tenha ao seu lado pessoas que te faça sentir-se ganhador de tempo, construtor de sonhos.

Vai namorar? Namore com quem quer o seu bem e te ajude a crescer…

Quer ser o quê? Seja o que quiser. Só não perca tempo demais perdendo tempo.

Por Karla Karina